4 temporada de Heroes

Sou fã de Heroes, talvez não pelo exemplo atual da série, mas pelo o que ela significou (e significa) para mim. Eu começei a ver seriados a partir daí, e isso eu nunca poderei negar.

Lembro que na primeira temporada, eu me senti imerso em New York, lugar que mais gosto no mundo. Isso me agradou bastante. A ligação entre os episódios, o carisma dos personagens, o poder do “descobrir” … Tudo me atraiu. Na segunda temporada, a série manteve mais ou menos o mesmo ritmo, mas foi tão curta que não se conseguiu desenvolver muita coisa. Na terceira, começou maravilhosamente bem, ao meu ver, e levou bem até o 12 episódio. Daí eu juro que só assistia por assistir. Os rumos da história e tudo mais… Não me agradou muito.

Essa quarta temporada teve um season premiere bacaninha, mas nada comparado ao da terceira. Senti um pouco apelativo e talz… Mas nesse terceiro episódio, eu senti algo diferente. Não sei se vai continuar assim, mas por um instante, eu senti aquele ar de primeira temporada de novo. Aquele ar de descobrimento. Aquele ar de magia… Não se preocupou em mostrar TODOS os personagens da série num único episódio, o que proporcionou que se desenvolvesse mais o que se tinha em mãos. Se esse modelo for seguido, teremos resultados deveras melhores.

Então é isso. Por respeito, continuo acompanhando. E se trabalhar mais um pouquinho, por qualidade também. Estou na torcida.
Anúncios

6 temporada de Grey’s Anatomoy

Rápido.

Grey’s Anatomy teve uma excelente 5 temporada, como já postei aqui, e uma dos finales mais emocionantes. Amadurecimento e evolução [ponto]. Essa sexta temporada começou com um season premiere ótimo, mas bastante diferente. Absolutamente cru, gélido, sem músicas e alternando entre o riso e o choro. Uma clara expressão do desespero.

Esse terceiro episódio da temporada foi voltando aos poucos aos moldes, mas ainda assim mostra como é presente o sentimento de luto por George O’malley. Contudo, foi bem mais alegre, com Cristina (Sandra Oh) com um humor destrutivo fantástico, e Lexie (Chyler Leigh) com os velhos dilemas de internos. Claro que o episódio deu destaque a vários outros personagens, mas esse em especial foi delas duas.

Grey’s Anatomy amadureceu. Vou insistir em falar isso. Série fantástica.

ps: Cena final ótima. Grande encerramento de episódio. Mensagem reflete EXATAMENTE o que sinto sobre a série.

“A cura para a paranóia é aqui. Exatamente onde você está.”